Notícias CAPES contribui para participação da mulher na ciência
Homenagem

CAPES contribui para participação da mulher na ciência

Publicado: Terça, 11 Fevereiro 2020 10:22 , Última Atualização: Quarta, 12 Fevereiro 2020 17:43

0G9A9885

Dados da CAPES comprovam o crescimento da presença feminina na ciência e na pós-graduação brasileiras. Além de serem a maioria entre os bolsistas – 57% –, elas representam 53% do total de matrículas nos cursos stricto sensu. Dos 364 mil alunos de mestrado e doutorado, 195 mil são mulheres. Na última edição do Prêmio CAPES de Tese, o número de vencedoras nas 49 áreas de conhecimento passou de 18, em 2018, para 22 em 2019. Nessa mesma edição, dois dos três principais prêmios, foram recebidos por pesquisadoras.

Carolina Levis, hoje fazendo pós-doutorado em Ecologia na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), foi uma das agraciadas com um Grande Prêmio. Ela destaca que “a mulher é fundamental na ciência, assim como em todos os lugares da sociedade”. Seu trabalho versa sobre as interações entre a sociedade humana e a vegetação ao longo de milhares de anos. “A ciência com mais mulheres tem a possibilidade de ser muito mais forte e inovadora”, reforçou.

Jaqueline Mesquita professora e pesquisadora UnB Foto Divulgação L Oreal Brasiljpeg

Muitas mulheres cientistas, com vínculos com a CAPES, têm o seu trabalho reconhecido, com prêmios nacionais e internacionais, como é o caso de Jaqueline Godoy. Professora do Departamento de Matemática da Universidade de Brasília (UnB), ela recebeu o Prêmio “Para Mulheres na Ciência”, oferecido pela L’Oréal, em parceria com a Unesco Brasil e a Academia Brasileira de Ciências (ABC), em 2019.

Este prêmio “tem um papel fundamental para aumentar a representatividade e dar visibilidade à ciência de ponta que as mulheres brasileiras estão desenvolvendo nas diferentes regiões do nosso País”, contou Godoy. Ela destacou, ainda, ser importante por “construir modelos para nossas jovens, na busca da equidade em ambientes científicos”.

Segundo a Organização dos Estados Ibero-americanos para a Educação, a Ciência e a Cultura (OEI), a assinatura de artigos científicos por mulheres mostra que 72% dos textos publicados no país incluem, pelo menos, uma autora brasileira. Assim apontam os resultados do estudo as desigualdades de gênero na produção científica ibero-americana.

Homenagem
Nesta terça-feira, 11, é comemorado o Dia Internacional das Mulheres e Meninas na Ciência. A data foi aprovada pela Assembleia das Nações Unidas em 22 de dezembro de 2015, para promover o acesso integral e igualitário da participação de mulheres e meninas na ciência.

(Brasília – Redação CCS/CAPES)
A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura CCS/CAPES

Compartilhe o que você leu